Covid-19: e se a hidroxicloroquina for a solução?

Marselha, França – A hidroxicloroquina, medicamento usado contra doenças reumáticas e malária, seria um tratamento essencial para a Covid-19?

Esta hipótese, aclamada por alguns como o médico francês Prof. Didier Raoult, do IHU Méditerranée Infection em Marselha, e criticada por outros eminentes especialistas em doenças infecciosas, e classificada como fake news há pouco tempo pelo 

Ministério da Saúde, ressurgiu hoje com a apresentação no YouTube do Dr. Didier, revelando resultados positivos de um estudo não randomizado e aberto com 24 pacientes.

Cabe lembrar que resultados encorajadores foram obtidos in vitro por uma equipe chinesa e publicados em 09 de março. No entanto, esses dados foram considerados insuficientes pela comunidade de infectologistas para recomendar a substância como terapêutica.

De fato, a cloroquina nem está entre os quatro tratamentos estudados no ensaio clínico europeu liderado pelo Inserm, que acaba de ser lançado, com 3.200 pacientes hospitalizados em estado grave, dentre os quais 800 franceses.

Os tratamentos utilizados no ensaio clínico são:

  • Oxigenação, ventilação... (tratamento convencional);

  • Rendesivir (medicamento contra o Ebola, da Gilead);

  • Lopinavir/ritonavir (Kaletra®) (antirretroviral, da AbbVie);

  • Lopinavir/ritonavir (Kaletra®) + interferon (da Merck).

A cloroquina foi descartada por conta do risco de interações com outros medicamentos em pacientes que frequentemente têm outras doenças, e dos possíveis efeitos colaterais nos pacientes em tratamento intensivo.

O ensaio clínico de Marselha

Segundo o site do registro europeu de ensaios clínicos, o estudo de Marselha foi aceito em 05 de março pela Agence nationale de sécurité du médicament (ANSM). Poderia ter até 25 pacientes com Covid-19 comprovada laboratorialmente: cinco entre 12 e 17 anos de idade, 10 entre 18 e 64 anos e 10 com 65 anos ou mais.

Até onde sabemos hoje, os dados não foram publicados e, portanto, devem ser interpretados com cautela. O estudo não randomizado e aberto mostra forte negativação do estado de portador do vírus com a hidroxicloroquina.

Após seis dias, o percentual de pacientes positivos para o SARS-CoV-2 que receberam hidroxicloroquina passou para 25%, contra 90% entre os que não receberam tratamento (um grupo de pacientes com Covid-19 não tratada, vindos de Nice e de Avignon).

Além disso, a comparação dos pacientes não tratados recebendo hidroxicloroquina ou uma associação de hidroxicloroquina com o antibiótico azitromicina mostrou: "uma queda espetacular do número de casos positivos", com a associação de hidroxicloroquina e azitromicina, segundo o Prof. Didier.

No sexto dia, com a associação da hidroxicloroquina e o antibiótico, o percentual de casos ainda portadores do SARS-CoV-2 seria de apenas 5%.

A azitromicina foi acrescentada porque demonstrou ser eficaz contra complicações causadas por doenças pulmonares bacterianas, mas também porque demonstrou ser eficaz in vitro contra um grande número de vírus, explicou o infectologista.

 "Todas as pessoas que morreram de Covid-19 ainda tinham o vírus. Não ter mais o vírus altera o prognóstico", disse o Prof. Didier.

Os resultados detalhados deste estudo foram enviados para publicação pelo periódico International Journal of Antimicrobial Agents.

Infectologistas em ebulição

O anúncio dos resultados positivos deste pequeno ensaio clínico provocou reações muito variadas entre os médicos.

Prudente, o Dr. Gilles Pialoux (infectologista do Hôpital Tenon) comentou para o Medscape: "A ideia é interessante, mas precisamos fazer grandes ensaios clínicos randomizados e controlados. Não devemos compartilhar esse tipo de informação no YouTube, isso não é sério. Vale lembrar que essa substância não fez parte do ensaio clínico do Inserm porque existem caminhos mais interessantes, como o rendesivir ou o lopinavir/ritonavir. É preciso ter cuidado para não repetir a história da ciclosporina no HIV".

Por sua parte, o Dr. Christian Perronne é mais entusiasta: "Eu realmente acredito na hidroxicloroquina. É um medicamento que acho fascinante, sendo usado há décadas. Houve resultados positivos em um estudo in vitro e em um estudo chinês preliminar com 100 pacientes, mostrando que a hidroxicloroquina reduz a carga viral, que os sintomas duram menos e que são mais brandos. Isso poderia diminuir o estado de portador, acho interessante do ponto de vista epidemiológico. Penso que, do ponto de vista ético, deveríamos oferecer a todos os pacientes com quadros graves, hospitalizados, sob supervisão, em tratamento curto, atentos às interações medicamentosas, principalmente com os medicamentos que aumentam o QT. Mais tarde, em termos de efeitos colaterais com altas doses, é possível que os pacientes apresentem dor ou febre, mas parece que o tratamento é eficaz com doses mais baixas, de acordo com dados chineses. De qualquer forma, os efeitos colaterais dessa substância não são perigosos".

Em relação aos efeitos colaterais, o Dr. Thomas Papo (especialista em medicina Interna no Hôpital Bichat, Université de Paris) confirmou por e-mail: "a hidroxicloroquina (Plaquenil®, que não é a cloroquina), elogiada pelo Prof. Didier como antiviral, é usada há décadas em dezenas de milhares de pacientes, portanto, com uma longa história e muitos dados; este medicamento é notavelmente bem-tolerado e o administramos para todos os pacientes com lúpus (por exemplo), inclusive as gestantes. Sua principal complicação (toxicidade retiniana) é rara e só ocorre após cinco anos de uso contínuo".

Hidroxicloroquina testada em outros hospitais

Na saída do Conselho de Ministros nesta terça-feira (17), Sibeth Ndiaye, porta-voz do governo, voltou a esses resultados publicados pelo Prof. Didier.

"Temos um começo promissor para o ensaio clínico realizado em Marselha, entendemos que a ciência exige que um experimento, para ser considerado válido, seja replicado várias vezes, a fim de poder afirmar se funciona ou não", advertiu Sibeth. Outros ensaios clínicos serão realizados no Hôpital de Lille para confirmar ou não os resultados do Dr. Didier.

Devemos observar que atualmente a cloroquina está sendo testada em vários ensaios clínicos na China e em outros lugares, e que alguns pesquisadores na França também decidiram oferecê-la após os resultados do Dr. Didier.

É o caso do Dr. Alexandre Bleibtreu, especialista em medicina interna do Hôpital de la Pitié Salpêtrière, inicialmente pouco convencido pelos dados obtidos in vitro, e que mudou de ideia depois de tomar conhecimento dos resultados do ensaio clínico do Dr. Didier.

Contactado pelo CheckNews , – serviço de jornalismo sob demanda do jornal Libération –, o Dr. Alexandre explica que essa substância atualmente é usada em quase todos os pacientes hospitalizados no serviço onde ele atua (cerca de cinquenta), exceto os que a recusam ou têm contraindicações.

"Ouvi falar de resultados que me fizeram mudar de ideia. Seguimos o protocolo de Marselha, certamente existem outras equipes que o utilizam. Não é o tratamento que parece mais óbvio, funcionou in vitro, mas não havia dados in vivo. O objetivo não é ter razão, mas melhorar a saúde dos nossos pacientes. Nenhum tratamento é mágico, a publicação dos resultados levantará questões, mas entre não fazer nada e redirecionar substâncias em função de seus efeitos colaterais, interações farmacológicas, etc., tentamos as coisas que estão ao nosso alcance".

Fonte:  portugues.medscape.com/verartigo/6504573#vp_1

Acesse nossos serviços

Contate-nos | G&A Imports Brasil
INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER E RECEBA NOSSOS MELHORES CONTEÚDOS!

A EMPRESA / COMPANY

SERVIÇOS / SERVICES

CONTATO / CONTACT

Atibaia/SP | Brazil

Phones: +55 11 4217-6282

              + 55 11 4413-0441

contato@gaimportsbrasil.com.br

G e A Imports Brasil - Portuguese version
G e A Imports Brasil - English version